Rio Branco, Acre,





Foto capa

O Espírito daCoisa

Vantagens e virtudes da incompetência na era do emburrecimento acelerado


Acima da linha dos presídios, um país espantosamente medíocre vive de insultos morais e entretenimento político

Foto capa ANTÔNIO ALVES, PARA CONTILNET

Incompetência, já!

Acho que foi nos anos 70 do século passado, se não me falha esta jurássica memória, que vi um livro chamado “Todo Mundo é Incompetente”, muito instrutivo e divertido. A tese geral é de que a carreira de um funcionário numa empresa evolui até que ele encontre seu ponto de incompetência. Por exemplo, se ele é um ótimo faxineiro será promovido e passará a ser um bom encarregado de serviços gerais, depois novamente promovido para ser um chefe de almoxarifado apenas regular e, finalmente, receberá sua última promoção e se aposentará como um mau gerente, cargo no qual terá alcançado seu ponto de incompetência.

Não cheguei a comprovar pessoalmente a veracidade da tese, pois nunca fiz carreira numa empresa durante tanto tempo. O máximo que consegui foi passar de repórter a cronista e cheguei a ser editor do antigo jornal O Rio Branco por menos de um mês, substituindo o editor-chefe em suas férias, mas ele teve que ser chamado às pressas para reassumir o posto pois eu consegui esculhambar com o governo da época e ganhei minha primeira demissão involuntária. Meu ponto de incompetência não é muito alto, na hierarquia da carreira jornalística.

Lembrei agora do livro antigo e sua tese da incompetência ao meditar sobre o noticiário político e acompanhar as “tretas” nas ruas e nas redes sociais. Minha impressão é de que o Brasil, antes um país inteligente e criativo, foi promovido ao seu ponto de incompetência. Estamos, visivelmente, mais burros e inábeis em tudo, desde a gestão do Estado até o uso da língua portuguesa -que sempre foi ruim e agora é catastrófico.

Não me atrevo a diagnosticar, entre as várias causas deste fenômeno, uma que seja principal. Sei que há um entendimento, muito difundido, de que o aumento da quantidade resulta em perda de qualidade, ou seja, o acesso de mais gente à escola diminui a qualidade do ensino, o consumo de arte pelo povão baixa a qualidade da produção artística e assim por diante, em todos os setores, incluindo a política, com a ampliação do direito ao voto resultando na queda da qualidade dos políticos. Os governantes recentes e atuais do país parecem favorecer esse raciocínio: no século passado, os analfabetos não podiam votar, depois não podiam se candidatar, neste século podem se eleger até a presidente (e tivemos o espantoso caso de uma “presidenta”).

Apesar de tantas aparências, acho essa explicação superficial e equivocada. Primeiro, porque confunde alfabetização com inteligência e escolaridade com sabedoria. Algumas das pessoas mais inteligentes que conheci eram analfabetas e há sábios que nunca lustraram bancos de escola. Segundo, porque tenta justificar a restrição do acesso à educação -e essa não é uma escolha inteligente pra nenhum país, apenas uma esperteza dos que dominam a posse dos recursos, inclusive da informação, para continuar dominando. No mundo inteiro, a democracia tem se revelado, no longo prazo, mais propícia à evolução cultural dos povos do que os regimes autoritários.

Isso nos traz à tese oposta, que atribui a burrice hoje dominante a um atraso de vinte anos que tivemos durante a ditadura. Na longa noite da censura, acumularam-se diversas fantasias irracionais que espicharam até o final do século vinte o obscurantismo que vinha do colonialismo e da escravidão nos quatro séculos anteriores. Assim, a estupidez que vemos hoje em público, nas relações sociais, culturais e políticas, é apenas a liberação de uma ignorância preconceituosa que vicejou, por muito tempo, na intimidade e no silêncio. Como vivi parte da infância e a adolescência sob a ditadura, posso testemunhar que, de fato, alguns dos “valores” que hoje parecem renascer com a força do poder político, eram o senso comum da época: artista é vagabundo, poesia é viadagem que se cura com peia, filosofia não dá camisa a ninguém, quem manda na casa é ela mas quem manda nela sou eu… procure alguém com mais de 55 anos que nunca viu sua mãe ouvir calada seu pai dizendo frases assim.

Mas essa também é uma idéia superficial, que descreve como sendo universal uma moralidade que podia ser majoritária mas não era de todos, nem dominava em toda parte e em todos os segmentos da sociedade. Há também uma história da liberdade e da criatividade, às vezes oculta, às vezes mais visível, pontilhada por uma infinidade de experiências localizadas e passageiras mas que lançavam sementes no tempo. É certo que as lindas composições de Cartola só foram gravadas e conhecidas do grande público quando ele já tinha cabelos brancos, assim como boa parte da rica produção cultural dos sertões e das periferias só foram descobertas tardiamente pelas classes médias e suas mídias. Mas estavam lá, sempre estiveram. Se a burrice é antiga, a inteligência não é menos.

Tenho pra mim que a ignorância arrogante que hoje domina as relações sociais e políticas no Brasil é também um surto psicótico coletivo, que pode durar alguns anos e depois arrefecer… mas também pode ser o desatino final de uma civilização mal-formada. Na primeira hipótese, pode ser uma espécie de “descarrêgo”, talvez necessário para que o país se livre de uma hipocrisia instalada desde a origem em sua urbanidade. A máscara que grudou na cara do brasileiro criado na sala da Casa Grande mas com “um pé na cozinha”, educado no catolicismo para chamar Yansã de Santa Bárbara, ensinado a condenar durante o dia o puteiro que frequentava à noite e, depois de graduado e doutorado, fazer do seu perfeito discurso humanista um sinal de sua superioridade sobre os ignorantes incapazes de pensar por si mesmos. Pois agora os ignorantes dispensam tutela, muitos enricaram por fora do mercado de emprego bacharelesco, trocaram a fé vaga e complacente pelo fanatismo punitivo, tiraram a casca iluminista que cobria o cerne medieval.

Os pobres “idiotas úteis” da esquerda não precisam ter medinho da ascensão da direita; crianças, o buraco é monstruosamente maior e muito mais embaixo. Os delírios paranóicos e as fantasias sádicas dessa tal de direita são meros procedimentos para a abertura de uma Caixa de Pandora cujo conteúdo ela mesma não pode controlar. Os presídios do Brasil, com os de Manaus na vez, estão dando amostras rápidas. Lei e ordem, hahaha, no Rio de Janeiro já se sabe, é apenas autorização para matar. E até os militares tremem diante da ditadura miliciana.

Deixando de lado esse terror profundo, voltemos à incompetência. Desconfio que ela, com ajuda da corrupção, pode ser a salvação do Brasil. Imaginem, se os fanáticos moralistas começam a tomar gosto pelas facilidades dos cargos, pelos dízimos generosos no caixa dois, pela alegre convivência com as oligarquias de sempre, todo esse ódio será moderado e os inimigos serão apenas seres imaginários, comunistas, globalistas, duendes e orcs. Teremos governos incompetentes e um sistema político ainda mais incompetente, inaugurando algumas obras nas vésperas das eleições com direito a discurso do autor da emenda. Uma nova hipocrisia no comando, que poderá ser substituída por outra a cada quatro anos. E o surto passará.

Se não for assim, pode ser pior, a hipótese do abismo. Aí, vamos repetir: quem for tatu que cave, quem for macaco que se atrepe. Torço pela incompetência, é claro.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários

Outras Notícias