Rio Branco, Acre,





Homem que matou estudante do Ifac em assalto é condenado a mais de 27 anos de prisão


Francisco foi condenado a 27 anos, 02 meses e 02 dias de reclusão em regime inicialmente fechado

REDAÇÃO CONTILNET

Francisco de Assis Menezes Rodrigues, acusado de matar a estudante Emanuela da Silva Souza, de 33 anos, em abril de 2018, foi condenado a 27 anos, 02 meses e 02 dias de reclusão em regime inicialmente fechado.

Na noite do crime, Rodrigues, de posse de uma arma de fogo e com o auxílio de um comparsa, ambos em uma motocicleta, abordou a vítima enquanto ela trafegava na Rua Benedito Maia, no bairro Vila Ivonete, próximo ao Teatrão, depois de anunciar o assalto e efetuar o roubo da moto, ela teria tentado reagir e foi atingida com um tiro nas costas e acabou morrendo no local.

Crime ocorreu em abril do ano passado/Foto: reprodução

Leia também: Imagens das câmeras de segurança mostram Emanuela tentando fugir e sendo atingida por assaltante

Após cair por três vezes pilotando a moto roubada, o acusado a abandonou em frente a um supermercado na Avenida Getúlio Vargas e se evadiu do local com o auxílio do comparsa. Sua prisão foi feita três meses depois e ele foi reconhecido por meio das imagens de câmeras de segurança no local e testemunhas que o reconheceram, o acusado, que já é reincidente, foi condenado por roubo seguido de morte e não pode recorrer em liberdade.

Leia mais: Suspeito de matar estudante do Ifac em assalto é preso em Rio Branco

Emanuela tinha acabado de deixar uma sobrinha na Universidade Federal do Acre (Ufac) e estava indo para o seu primeiro dia de aula no Ifac. No caminho, foi assassinada com um tiro nas costas após dois bandidos roubarem sua motocicleta.

Ela era formada em técnica de segurança do trabalho, gestão ambiental e recentemente havia abandonado a faculdade de medicina, na Bolívia, para cuidar da mãe que tinha câncer e morreu em virtude da doença há um mês.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários






Outras Notícias

Veja Também