Rio Branco, Acre,





Consumidor denuncia falta de água, papel higiênico e copos descartáveis no Procon


O diretor do Procon, André Gil, confirmou as denúncias e e disse que o problema é a falta de autonomia

SAIMO MARTINS, DO CONTILNET

Um consumidor que esteve presente na última semana no departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Acre (Procon/AC), denunciou o abandono em que se encontra a instituição gerida pelo advogado André Gil. Segundo relatos do denunciante, o órgão está em péssimas condições de estrutura e, o pior, segundo ele, não teria água e nem copos descartáveis para quem busca atendimentos no local.

Segundo relatos do consumidor que pediu para manter sua identidade em sigilo devido à ações que move contra uma empresa, no local não tem sequer cadeiras suficientes para as pessoas sentarem. “Está deprimente o local, não tem cadeiras suficientes para todos se acomodarem, não tem copos descartáveis, não tem água mineral para beber”, destacou.

Entre as reclamações está a superlotação do órgão/Foto: reprodução

O denunciante relatou ainda que diariamente, o órgão atende apenas 15 pessoas. “Temos que chegar aqui de madrugada por volta das 4 horas se quisermos ser atendidos, pois só resolve nossa situação por aqui, lá na Oca não há mais atendimento para o Procon”, reclamou.

O OUTRO LADO DA HISTÓRIA

Em contato com o diretor do Procon, André Gil, ele confirmou as denúncias e relatou que os motivos pelos quais o órgão se encontra nessa situação, é a falta de autonomia. “Em todos os estados o Procon tem autonomia, mas aqui não, estamos na contramão do Brasil, hoje estamos dentro da Controladoria Geral Estado, agora passamos para departamento, estou entre a cruz e a espada”, declarou.

André disse que está sendo cobrado, porém, não está tendo condições para administrar o órgão. “Dependemos de repasses da controladoria, mas não tenho independência”, explicou o gestor.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários






Outras Notícias

Veja Também