Rio Branco, Acre,





Secretaria de Meio Ambiente promove Carnaval Ambiental em Rio Branco; veja dicas


Glitter biodegradável, máscaras de materiais reciclados e até confete ecológico estão entre as propostas do Carnaval Ambiental

CARINA MENEZES

O Carnaval desse ano será no início de março e muitas pessoas já se preparam para as festas na rua e para sambar nos famosos bloquinhos. As festas de rua trazem muita alegria por onde elas passam, mas costumam deixar para trás uma boa quantidade de lixo, resultando em muitos danos ao meio ambiente.

Pensando em mudar um pouco esse cenário a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia), apresentou algumas novidades bastante sustentáveis para este carnaval. Glitter biodegradável, máscaras de materiais reciclados e até confete ecológico estão entre as propostas do Carnaval Ambiental promovido pela Ecoteca Cantinho da Boaventura, em Rio Branco.

Segundo a secretária de Meio Ambiente, Paola Fernanda Daniel, a intenção é disseminar a consciência ambiental entre as crianças trabalhando temáticas lúdicas para que eles entendam melhor a importância do meio ambiente.
“No ano passado a gente fez com reaproveitamento de material. Esse ano temos dois diferenciais, o Ecoglitter, que a gente teve a ideia de colocar as crianças para produzirem o glitter que elas mesmas irão utilizar nas mascaras, e também estamos fazendo o confete sustentável, que é o confete através da folha. Nosso objetivo é desenvolver a ideia de proteção ao meio ambiente, como um todo”, destacou.

As crianças foram ensinadas a fazer os produtos que irão utilizar no carnaval, em oficinas realizadas pela Ecoteca, que segundo a secretária, promove esse tipo de atividade o ano inteiro. “A ecoteca que é onde promovemos isso funciona o ano todo, não é só no período de carnaval. Todos os dias, durante a semana é trabalhado um tema diferente com as crianças”, explicou.

A proposta de carnaval sustentável não está apenas nos enfeites. Os instrumentos da banda que vai embalar os foliões do carnaval ambiental e as máscaras, são feitos a partir de sucata e materiais reciclados.

O Carnaval Ambiental da Criançada acontece no dia 1º de março, no Horto Florestal, e irá contar com marchinhas e músicas que falam da natureza, com a participação das artistas Mara Mattero e Williane Martins, além, é claro, da bandinha da ecoteca com seus instrumentos reciclados.

ECOglitter

Brilho e carnaval têm tudo a ver. A festa mais democrática do mundo abraça uma galera que só quer saber de ocupar as ruas com muita alegria e vestidas de brilho dos pés à cabeça literalmente. Para isso tudo, a purpurina é indispensável. No entanto, já há alguns anos que o glitter- ou purpurina – vem ganhando a fama de vilão. Amado por muitos, o pozinho é feito de plástico e não se degrada no meio ambiente com facilidade.

Foi por essa razão que a Ecoteca Cantinho da Boaventura realizou na última semana, uma oficina para que a criançada produzisse o próprio glitter a partir de soluções caseiras, simples e sustentáveis. Um pouco de sal de cozinha, corante alimentício líquido e em pó foram suficientes para fazer o tão amado pozinho. Nas páginas da Semeia, na internet, são disponibilizadas as dicas de como fazer o produto.

Confete ecológico

Outra coisa que sempre tem nas festas de carnaval são os confetes e serpentinas, que no fim das contas são, literalmente, plástico e papel jogados no chão. Mais uma vez temos um problema de desperdício e produção de mais lixo desnecessário. Se você não abre mão de festejar com confete, uma alternativa é produzir o seu próprio.

udo que você precisa é de folhas secas recém caídas e um furador de papel. Uma dica simples que pode ser aproveitada por todos neste carnaval. O confete ecológico também é uma proposta da Semeia para promoção da sustentabilidade que consiste, principalmente, na troca de pequenos hábitos. O ECOnfete, além de gratuito, é natural e biodegradável.

Quem disse que consciência ambiental não combina com Carnaval?

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários






Outras Notícias

Veja Também