Rio Branco, Acre,





Foto capa

Pimenta no Reino

Quem não fez do Acre ‘o melhor lugar da Amazônia para se viver’ agora nos xinga de traidores


Binho Marques defendeu Jorge Viana e acusou o povo de sofrer de ‘amnésia coletiva’

Foto capa ARCHIBALDO ANTUNES, DA CONTILNET

Corta aqui, Tião!

Sob a desculpa de exaltar o senador Jorge Viana (PT), derrotado em sua tentativa de reeleição, o ex-governador petista Binho Marques acabou por esculhambar o correligionário Tião Viana, a quem responsabiliza pela derrota histórica do PT nas eleições deste ano, após duas décadas de poder.

Réplica

A postagem de Binho na rede social Facebook recebeu resposta do meu colega jornalista Leonildo Rosas, porta-voz do atual governo. Na réplica, Léo chamou Marques de ‘leviano’.

Ovos quebrados

O espatifado no ninho da pata petista não é nenhuma novidade. E que eles continuem a briga – que iniciou antes mesmo de a casa vir abaixo –, é uma previsão tão óbvia que a este substantivo o escritor Nelson Rodrigues acrescentaria o adjetivo ‘ululante’.

O que é isso, companheiro?

A questão, porém, é outra: o ex-governador Binho Marques, que em seu governo nos prometeu fazer do Acre ‘o melhor lugar da Amazônia para se viver’, agora nos tacha de ‘traidores’. Dirigindo-se a Jorge Viana, disse ele o seguinte: “(…) admiro ainda mais tua postura serena nestes tempos de traição e amnésia coletiva”. Viram só?

Magda

Binho deveria ficar de bico fechado. Mais do que não ter cumprido a promessa mencionada, tratou de deixar o Acre para viver em Brasília, onde – se não estou enganado – reside até hoje.

Verdades e delírios

A segunda razão para que feche a matraca está na meia-verdade dita por ele, ao atribuir o fracasso do projeto do PT ao governador Tião Viana. A parte verdadeira é que Tião de fato aniquilou o passado de glórias do partido com as ações desastrosas do seu segundo mandato. Mas a outra metade da afirmativa, em forma de inverdade, é que o fiasco tenha decorrido da guinada nas ações políticas que relegaram o suposto projeto redentor batizado com o nome brega de ‘florestania’.

Pra inglês ver

A utopia foi destroçada pelo pragmatismo eleitoral de Marcus Alexandre, o candidato do PT ao governo derrotado pelo senador Gladson Cameli (Progressistas). Na entrevista que concedeu ao site ac24horas, o ex-prefeito tratou de pôr os pingos nos iis: “Florestania não passa de um conceito”, disparou.

Piada pronta

O mais risível desse desabafo em favor de Jorge Viana é que o autor, ferrenho defensor do projeto irrealista de desenvolvimento sustentável, tenha trocado a floresta amazônica pela selva de pedra concebida pelo arquiteto Oscar Niemeyer.

Esquizofrenia política  

E se a longevidade do PT no governo, decorrente da propaganda de um mero conceito vendido ao povo como projeto econômico, lhe concedeu benefícios – entre os quais uma pensão vitalícia de ex-governador –, Binho parece alheio ao que acontece no Acre atual, onde o desemprego atinge mais de 120 mil pessoas, segundo dados do IBGE divulgados em junho deste ano.

Olhar distante

Lá da Capital Federal, o ex-governador também não faz ideia da violência que ameaça a quase todos nós, em uma guerra entre facções que acaba por fazer, é claro, vítimas inocentes.

Boquinhas

Assim que deixou o cargo de chefe do Executivo estadual, Binho fez as malas sob a desculpa de que se dedicaria a um doutorado. De quebra, foi nomeado secretário de Articulação com os Sistemas de Ensino do Ministério da Educação (MEC), durante o governo de Dilma Rousseff.

Cabeça fria

Interrompido o governo da presidenta pelo impeachment, Binho Marques não teve que se preocupar com o ganha-pão, garantido pela aposentadoria precoce, decorrente de 4 anos de serviços prestados como governador dos acreanos.

Memoriol

Ocorre que em 2003, não obstante a gritaria dos companheiros contra a reforma previdenciária proposta por Michel Temer, Lula também tratou de mudar as regras para a aposentadoria, condicionando-a ao mínimo de 60 anos de idade e 35 anos de contribuição para os homens, e de 55 anos de idade para as mulheres com o mínimo de 30 anos de contribuição à Previdência Social.

Filigranas

A reforma de Lula, aprovada pelo Congresso Nacional, acabou com a aposentadoria integral, ou seja, seu valor passou a depender do tempo de contribuição dos servidores públicos – o que a coluna considera uma medida acertada. Mas o que dizer de quem recebe mais de R$ 30 mil por mês por quatro anos de serviço, e se tornou pensionista do estado com poucos mais de 40 anos de idade?

Direitos

O Dr. Binho Marques tem o direito de dizer o que lhe der na telha. Goza também da prerrogativa de lamentar a derrota de Jorge, e atribuí-la ao irmão Tião Viana. Só não pode vir com a fanfarronice de que nós, o povo, temos memória curta e agimos como Judas Iscariotes.

Quem é o traidor?

Até porque as trinta mil moedas caem mesmo é no bolso do ex-governador, a exemplo também de Jorge Viana e Flaviano Melo, entre outros afortunados por essa sem-vergonhice.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste portal. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Comentários

comentários

Outras Notícias